Esta coisa tão feminina chamada...Inveja



Num destes fins-de-semana, em que a Primavera ainda não tinha chegado, mas o sol e o calor já só faziam lembrar boas tardes de gelados, Somersby e dolce fare nienti, resolvi ir aproveitar aquilo que de melhor tenho perto de casa: a praia.

Era sábado e a praia estava cheia, famílias inteiras, grupos de amigos casais enamorados, malta que se aventurou a ir tomar uma banhoca na água gelada ou simplesmente pessoas como eu, que estavam consigo próprias a aproveitar uma boa leitura e o novo magnum double de coco - que by the away é completamente insano no sabor delicioso e no preço alto para um gelado tão pequeno.  

Pois bem, levei a toalha, o livro e o gelado, arranjei espaço na areia, tirei os ténis e mergulhei na minha leitura, até que passados uns 15 minutos chega um grupo com várias mulheres, respectivos filhos e um ou outro marido. As crianças lá andavam a correr de um lado para o outro, elas gritavam com os pulmões bem abertos para os miúdos não se enfiarem na água e lá iam conversando sobre qualquer coisa que eu não sei porque não estava muito atenta.

ACMA | Descobre um Hobbie que te preencha e torna-o num Hábito Feliz



Uma das coisas que ao longo destes quase 7 anos de Lolly Taste sempre gostei na blogosfera são as partilhas e parcerias genuínas entre blogs e que, com o passar dos anos, comecei a sentir que se foram perdendo. Portanto, assim que descobri o ACMA (A Cultura Mora Aqui), que tem como objectivo reunir um grupo de diferentes bloggers a debater um tema mensal procurando enquadrá-lo dentro do seu próprio registo, os meus olhos brilharam.

Ora, eu quis logo alinhar nisto. Não só porque adoro escrever mas também porque me permite conhecer novos projectos. E não é que na minha estreia no ACMA o tema não poderia ser melhor?

Hobbies: é exactamente sobre isso que vos irei escrever hoje e, se vamos falar de Hobbies, vou ter de falar daquele que é provavelmente o Hobbie a que mais me dedico, o desporto, e, acima de tudo, dar-vos algumas dicas de como tornar um Hobbie num hábito feliz.

O meu Sem Cojones e já agora...Sem Perna!



Creio que nesta altura do campeonato, já toda a gente tenha ouvido falar sobre o maravilhoso livro da Helena Magalhães  - Diz-lhe que não - que já esgotou em algumas livrarias e que é daqueles livros que se consomem de uma vez só de tão divertido que é. 

Eu comprei o livro no dia a seguir a ter saído e demorei uns 2 dias a terminar, porque cada página que avançava, mais vontade me dava de continuar a ler todas aquelas histórias que sendo divertidas, trazem várias lições para a vida. Entretanto, depois de o ter comprado, falei dele à minha mãe e ela mostrou-se logo interessada em lê-lo.

Uma das coisas que sempre admirei na minha mãe foi o seu gosto pela leitura, ela consome livros a uma velocidade brutal e desde muito pequena que me incutiu esse gosto, comprando-me livros frequentemente e incentivando-me a ler bastante nos meus tempos livres, portanto assim que acabei o Diz-lhe que Não e estando ela a terminar um outro livro que andava a ler, lá lhe passei o testemunho.

Ama-te ainda mais com a ajuda da Body Hut



A semana passada a convite da Body Hut fui conhecer este novo espaço que abriu em Carcavelos e experimentar uma massagem e assumo com todo o meu coração, que mal terminei apaixonei-me por todo o conceito.

Massagens quem não gosta? Quem me conhece sabe que eu sou a louca das massagens, eu e ele fazemos regularmente massagens a dois e temos até uma tradição engraçada de fazer uma massagem especificamente no dia 31 de dezembro. Foi algo que começou por brincadeira e agora é uma espécie de tradição que nem que seja pela ideia de libertar o corpo das más energias já vale a pena.

Tirando as massagens de relaxamento, eu adoro massagens de estética, acho que quando bem feitas e aliadas a um bom treino e alimentação são uma excelente ajuda e falei-vos inclusive o ano passado, sobre uma série de tratamentos que fiz como ajudinha extra para o Verão.

Passatempo Kit Saudável Vita 33



Pois é, passatempo no ar :)
E se ontem vos dei dicas de como combater a gula, hoje em parceria com a Vita 33, trazemo-vos um passatempo que vos vai ajudar a manter esses cravings bem longe.

E o que é que vão poder ganhar?

1 embalagem de 500gr de aveia com proteina vegetal sabor de mirtilo
1 embalagem de snack cacau e coco composta por várias sementes
1 embalagem de pão tipo tosta com sabor a cebola e alho
1 barrinha brownie de amendoim 
1 saqueta de amazing grass antioxidante sabor de Açai
2 embalagens com hambúrgueres de cogumelos e pimento. 

Todos estes produtos são adequados a vegetarianos.

4 sugestões para combater a gula


A gula é capaz de ser o meu maior pecado capital. Sempre fui gulosa desde que me conheço, mesmo quando era mais miúda e era um verdadeiro pau de virar tripas, perdia a cabeça por doces e salgados, entretanto os anos foram avançando, eu fui engordando e a minha gula também aumentou.

Eu comia muito, lembro-me de estar para aí no 6ºano e ter uma tradição com uma amiga de comer todos os dias a meio da manhã um bolo chamado delícia que era nada mais nada menos, do que uma espécie de mil folhas mas com doce de ovos no meio e açúcar em pó por cima e todos os dias marchava um destes, mas se ela era magra naturalmente, eu não era e isto ainda agravou mais o meu aumento de peso na adolescência. 

Quando comecei a ter noção do meu peso passei a comer às escondidas, comia muitos chocolates, bolachas e gomas que comprava no supermercado e depois escondia as provas do "crime" dentro do meu armário ou num sítio, onde a minha mãe não pudesse ver para não me chatear com a quantidade de porcarias que eu comia, mas muitas vezes eu esquecia-me das coisas e ela acabava por descobrir.

5 benefícios de adoptar um animal adulto

Robin 3 anos e Luke 5 meses adoptados por mim em Dezembro de 2016

Adoptar com responsabilidade é um acto de amor, assim simples e directo é esta a melhor forma para descrever a decisão de salvar uma vida que nunca conheceu uma casa ou que conheceu mas que foi completamente descartada porque já não combinava com a decoração lá em casa ou porque simplesmente deixou de ter a graça que tinha porque cresceu. 

Eu amo animais de coração e na UPPA todas as adopções me deixam sempre com o coração feliz mas confesso-vos que quando há um adulto que é adoptado eu fico com uma esperança redobrada no ser humano e lembro-me que uma das adopções que mais me marcou foi exactamente a do meu ex. afilhado Lord que já tinha sido adoptado e devolvido, que é um cão maravilhoso com uma energia incrível e sem ninguém prever alguém se apaixonou por ele, sem olhar para a idade ou para o facto de não ser propriamente o Brad Pitt dos cães e lhe deu a vida que ele merece. 

Por estar directamente ligada à UPPA há quase 4 anos acabo por conhecer todos os cães e muitas vezes quando lá vou e vejo patudos incríveis, com personalidades doces, meigas e sempre com aquele olhar carinhoso à nossa espera não entendo como é que muitos deles continuam por lá só porque alguém acha que já passou o prazo de validade. 

As desculpas para não se adoptar adultos são muitas, há quem diga que bebés são mais fáceis de educar, que vão gostar mais de vocês, que é mais fácil criar ligação e no caso dos gatos há pessoas a acharem que é mais fácil moldar a personalidade, o que acaba por me dar vontade de rir porque quem acha que consegue moldar a personalidade de um gato ou de um cão devia adoptar um tamagochi. 

Eu adoptei um adulto (com FIV) e um bebé, uma espécie de dupla Ying/Yang que me tem ensinado muito nesta coisa de ter dois opostos com idades tão diferentes numa casa e por isso decidi partilhar com vocês 5 razões para considerarem a adopção de um animal adulto.

A vergonha de um antidepressivo



Uma grande amiga minha perguntou-me há uns tempos, o que é que se sente quando se toma  um antidepressivo, ela estava acima de tudo curiosa sobre como é que eu me sentia durante o dia e de todas as coisas que eu lhe podia dizer como, uma calma meio estranha e uma dormência na alma, aquilo que eu mais sentia era vergonha, uma vergonha tremenda por não entender como tinha chegado aquele ponto e acima de tudo por perceber que eu precisava de me drogar para conseguir viver em sociedade.

Eu sei que a palavra drogar parece muito dura mas não há outra forma de categorizar este tipo de medicação que te agarra e te molda do jeito que tu precisas para enfrentar o mundo e que muitas vezes adormece a tua essência para te fazer existir de uma forma “normal” no mundo. São drogas a partir do momento em que causam uma grande dependência e tu só te apercebes disto exactamente quando a tentas deixar.

Cozinha Vegan para Principiantes by A Cozinha Verde



Caramba este 2017 ainda só vai com 3 meses e eu sinto que já aprendi imenso e os workshops em que me tenho inscrito são bastante culpados nisto, porque não só me têm permitido aumentar o meu conhecimento em algumas áreas, como tenho conhecido pessoas que admiro imenso.

Este domingo foi altura de conhecer outra dessas pessoas, neste caso a querida Filipa Range do blogue a Cozinha Verde. Eu sou uma fiel seguidora da Filipa há uns 2 anos e é muitas vezes no blogue dela que me refugio para combater o meu pouco gosto pela culinária, porque a verdade é que vocês estão carecas de saber que apesar de eu AMAR fazer pequenos-almoços, todas as outras refeições saem-me um bocado a custo. 

5 Mulheres Inspiradoras da Internet



Sim o dia da Mulher foi a semana passada, mas eu acredito que se há coisa boa que a internet traz é esta troca de conhecimento e partilha que nos torna claramente mais ricos. A verdade é que este espaço existe há quase 7 anos e se houve alturas em que eu não sentia a mínima vontade de escrever, desde que voltei o ano passado após uma grande pausa, o meu amor por criar conteúdo tem crescido cada vez mais e acredito que para além de todas as experiências que vou vivendo, são blogues e histórias de outras pessoas que me ajudam a continuar inspirada.

E se essas pessoas me inspiram, se tornam os meus dias melhores de alguma forma, acho importante falar-vos delas por aqui, porque sinto que com os anos foi algo que se perdeu muito na blogosfera, o partilhar outras pessoas e projectos pelo simples prazer de partilhar, sem medos de estar a fazer publicidade gratuita porque na realidade, se passamos a vida a tagar marcas nas nossas fotos que já são conhecidas, porque temos tanto medo de o fazer com outros blogues e projectos?

Posto isto começamos a semana por aqui com 5 mulheres que diariamente me dão uma grande dose de inspiração. 

O Feminismo começa em ti própria


Mulheres e corpo, corpo e mulheres, esta é provavelmente uma das maiores batalhas de sempre e não há uma única mulher que em algum tempo da sua vida, não se tenha olhado ao espelho e se tenha achado a "coisa" mais horrível à face da terra, totalmente cheia de defeitos e constantemente a especular o porquê de não ter os abdominais da Gabriela Pugliesi, a cara da Sara Sampaio e as pernas da Iza Goulart. 

É, nós somos assim, seres insatisfeitos, seres que conseguem ver mais defeitos em nós próprias em 1 hora do que 10 pessoas num dia inteiro e acima de tudo temos a capacidade de estarmo-nos constantemente a comparar à vizinha do lado, como se a vizinha fosse a última coca-cola do deserto sem qualquer tipo de defeitos. O problema é que nós somos também, as primeiras a apontar o dedo quando alguém como por exemplo a brutalíssima Lady Gaga faz uma actuação maravilhosa e está ali com uma barriguinha minúscula que provavelmente até é dos calções estarem justos e cai-lhe o carmo e a trindade porque está fora de forma.

Quando te doer, vai com mais força



Não este não é um daqueles textos que te vai dizer "No pain, no gain", se me conheces sabes bem que para mim esse é daqueles lemas palermas, que só servem para as pessoas acharem que de cada vez que treinam precisam de ir ao limite, precisam de suar como se estivessem estado debaixo de uma cascata ou então de nada valeu a pena e era melhor terem ficado em casa.

Todos os treinos valem a pena minha gente, todos aqueles que tu decidiste ir, que não te boicotaste e que terminaste com a sensação de dever cumprido mesmo não tendo encharcado a toalha valem a pena, por isso não, este não é um post para te dizer que se não te dói não faz efeito, mas sim que quando te doer cá dentro no peito é ai que tens de ir com tudo.

Estás confusa? Eu explico.

28 Coisas Que Estou Grata em Fevereiro



Lembram-se do exercício da gratidão que partilhei com vocês no final de Janeiro? Pois bem chegamos ao final deste mês e eu trago-vos novamente tudo aquilo pelo que agradeci durante todo o Fevereiro. 

A verdade é que já não consigo terminar o dia sem fazer esta pequena retrospectiva de como me correram as coisas, faz-me sentir mais leve, mais bem-disposta e acima de tudo uma coisa que para mim é mesmo muito importante, faz-me pensar a fundo nas coisas e não andar em modo piloto automático.