O meu milagre de Natal é uma bonita história de amor


Milagres de Natal é sobre eles que falo hoje aqui no blogue porque por mais incrédulos que estejamos com o mundo de vez em quando há coisas que acontecem e nos provam que vale mesmo a pena continuar a acreditar seja no que for. 

Foi em Agosto deste ano que perdi um dos seres mais preciosos da minha vida, perdi um amigo, perdi um companheiro e perdi acima de tudo um membro da família de uma forma muito cruel e injusta, a dor que tomou conta do meu corpo e da minha mente nos meses seguintes é completamente indescritível.


Logo após o Pablo falecer foram várias as pessoas que me disseram que precisava de arranjar outro animal, que precisava de preencher essa dor com outro patudo e que acima de tudo não havia hora nem altura certa para voltar a ter outro por isso o melhor seria tentar dar amor a outro animal.

Acredito que somos diferentes a viver e a sentir as coisas e depois da experiência que vivi (e que ainda vivo) posso dizer-vos que há sim um tempo e altura certa para voltarmos a conseguir abrir o nosso coração e só nós sabemos quando.

No meu caso eu precisei efectivamente de chorar, de gritar, de me revoltar por me terem tirado um dos seres mais bonitos tão precocemente e de forma negligente, precisei de mergulhar num buraco fundo de solidão mesmo estando rodeada de pessoas, precisei acima de tudo de viver e fazer o luto para me conseguir libertar e voltar a amar, e se para outras pessoas a melhor opção é preencher esse lugar com outro ser que precisa de ser amado no meu caso eu precisei de passar efectivamente por todo este processo para chegar a onde estou hoje. 

E é aqui que chegamos ao Robin e ao Luke. 

Encontrei o Robin por acaso na internet, nem sequer estava à procura de gatos e muito menos pensava em adoptar um, entrei na página da associação Bigodes Fofos somente por achar o nome giro e enquanto via todos os patudos que lá estavam esbarrei nesta foto...


Era um grandão cor de laranja e super peludo como eu sempre gostei mas acima de tudo foram estes olhos que fizeram o meu coração sentir algo de diferente no meio do caos em que eu estava metida emocionalmente. Quando vi a foto dele pela primeira vez era de noite, portanto dormi tentei esquecer o assunto porque não me sentia preparada mas quando acordei voltei a pensar nele e fui ler a sua história.

O Robin tem 3 anos, foi encontrado num estado lastimável no Monte Abrão com uma ferida horrível na orelha, quem lhe deu a mão na altura andava à procura de uma persa laranja que tinha fugido e só depois de já o terem é que perceberam que não era nem persa nem menina :) Internaram-no, trataram dele e foi ai que se descobriu que o Robin é FIV + ou seja o Robin tem sida felina uma doença transmitida entre gatos por brigas ou relações sexuais e infelizmente sem cura.

Ler a história do Robin deixou-me com o coração apertado, por um lado senti uma enorme tristeza por saber que este animal certamente estaria condenado a viver num abrigo porque para além de já ser adulto tinha uma doença incurável, por outro pensei no meu estado emocional no quanto tinha perdido e se estaria efectivamente preparada para lidar com uma situação destas.

Mas eis que por alguma razão estes olhos não me saíram da cabeça, fomos conhecê-lo e foi nesse exacto momento em que o encontrei deitado na cama com o seu ar sereno que soube que ele teria de ser meu, mas se querem saber a verdade no meio disto tudo eu acho que foi o Robin que nos escolheu quando decidiu vir atrás de nós no momento em que estávamos de saída e a senhora dizer que ele nunca tinha feito isto com ninguém.

Passaram 2 meses desde que o vi pela primeira vez, fui visitando-o sempre que podia, falava com ele, deixava-o entrar na minha vida aos poucos, deixava-o acima de tudo acalmar a minha dor e sem me aperceber apaixonei-me por este ser. Pelo meio o Robin teve de fazer uma biopsia por suspeita de linfoma renal e vivemos duas semanas no início de Dezembro muito ansiosos até que no dia 13 de Dezembro soubemos que a biopsia deu negativo e que apesar dos rins precisarem de ser monitorizados de 3 em 3 meses ele neste momento está bem.



E é aqui que entra a história do Luke, um lindo gato preto que foi encontrado com 10 dias juntamente com dois irmãos dentro de um caixote do lixo fechado num saco plástico. Foram alimentados com biberão, cresceram e tornaram-se bebés saudáveis e completamente inseparáveis do Robin que tem um fascínio por gatos bebés por isso brinca com eles, lava-os e deixa-os dormir em cima dele. 

Sempre quisemos ter dois gatos e vimos aqui a altura perfeita, falámos com veterinários sobre a situação do FIV e todos nos disseram que o maior risco de contágio surge quando há brigas normalmente por comida ou fêmeas e que há cada vez mais estudos a indicar que gatos que vivem em ambientes tranquilos, que convivem já há algum tempo e que têm perfis calmos e sociáveis o risco de contágio ronda entre 0 a 1%, o Robin e o Luke vivem juntos há 5 meses e o Luke continua negativo.

Escolhemos o Luke porque infelizmente ainda há muito preconceito com gatos pretos e ele é um gato lindíssimo e super divertido que tem tanto direito a ter uma vida e uma família como outro qualquer por isso desde dia 17 de Dezembro vivem connosco e vieram tornar a casa novamente feliz, encher cada divisão de amor e acima de tudo voltaram a fazer-me sentir verdadeiramente completa.

Não sei quanto tempo de vida terá o Robin, pode viver 10 anos pode viver 1, mas o que aprendi de uma forma muito dura este ano é que o tempo é muito relativo, o Pablo tinha 4 anos sempre foi saudável e faleceu da forma mais injusta que poderia ter falecido mas se há algo que eu tenho a certeza é que lhe demos os melhores 4 anos que ele alguma vez poderia ter tido e exactamente por isto decidimos fazer o mesmo pelo Robin um gato que não deixa ninguém indiferente pelo seu carinho, pela sua calma e beleza e que merece ter uma vida de amor dure ela o tempo que tiver de durar. 


Estes são o Robin e o Luke e esta é sem dúvida a minha história de amor. 

10 comentários :

  1. Que bebés lindos :') as pessoas ainda n entendem muito bem essa coisa do luto por um animal. Infelizmente sei bem o que isso é :( ainda hoje tenho saudades de dois dos meus bichaninhos mais lindos. Belo milagre de Natal o teu ❤

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. é verdade ainda há muita gente a achar que é "mariquice" mas felizmente tive à minha volta muitas pessoas que entenderam este processo. obrigada e beijinhos

      Eliminar
  2. não pude deixar de me sentir emocionada ao ler este teu texto. Mais uma vez mostras que és uma pessoa extraordinária e como já referi antes das bloggers mais interessantes e genuínas que por aqui andam. Obrigada por teres olhado para o Robin com olhos de amor e lhe tenhas decidido dar uma oportunidade juntamente com o Luke. Obrigada por me fazeres acreditar que ainda há boas pessoas no mundo. Sê muito feliz querida Vânia.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. oh diana mais uma vez deixas-me sem palavras, muito obrigada pelo teu carinho :)

      Eliminar
  3. O teu coração é grande e nele cabem o Pablo, o Robin e o Luke! Tu mereces tudo de bom! Tens um coração de ouro e é por existirem pessoas como tu que o mundo não está nem nunca estará perdido!

    ResponderEliminar
  4. ♥ fico muito contente por ti (vocês! e eles! :D). Fizeste bem em esperar o tempo que foi preciso. Nada acontece por acaso, eles ficam na nossa vida o tempo que têm de ficar e ensinam-nos sempre o que era suposto ensinarem. :) Sorte a desses dois que vão ter vida de reis!

    beijinho
    Adriana

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. é isso mesmo adriana acho que estava destinado encontrar o robin depois de ter perdido o Pablo de uma forma tão triste. um grande beijinho para ti :)

      Eliminar
  5. Linda história... até me vieram as lágrimas aos olhos!! Tens um coração lindo, continua assim!! Beijinhos Helena Gil

    ResponderEliminar
  6. Oh <3 obrigada pelo teu carinho querida helena :)

    ResponderEliminar