O meu balanço de 2016


Hoje é o meu último dia de trabalho deste ano e por isso decidi fazer um balanço, mas a verdade é que nem sei bem como classificar este 2016 que foi a meu ver um ano extremamente estranho para mim e muito conturbado. 

Morreu muita gente conhecida este ano, houveram demasiados atentados que despoletaram ainda mais o medo de andar no meio de multidões e vemos centenas de pessoas a morrer todos os dias em Aleppo numa guerra que não é deles. O que sinto neste 2016 é que o mundo está efectivamente mais triste e um lugar muito estranho para viver e apesar de procurar manter-me activa na defesa de causas em que acredito cada vez mais percebo que a maioria das pessoas está completamente embriagada no seu próprio ego. 

O meu 2016 foi como disse um ano muito estranho, não vou dizer que foi o pior ano da minha vida porque afinal de contas tenho trabalho, tenho uma casa, tenho saúde e uma família muito feliz mas posso dizer que foi um dos anos mais difíceis e duros que já tive.

Alimentação e corpo

Foi um ano que começou com uma obsessão estranha pelo corpo que me levou a fazer muitos disparates alimentares, disparates esses que me deixaram com o organismo muito desregulado (ainda hoje não está a 100%), com anemia e com o triste regresso das compulsões alimentares. Passei por uma fase complicada de excesso de exercício, rigidez alimentar e muita punição e tudo isto transformou-se num bonito cocktail explosivo que me deixou à beira de um esgotamento. 

Decidi abrir o jogo aqui pelo blogue porque achei importante mostrar que estes assuntos não são só de adolescentes e que é preciso continuar a alertar para o perigo das obsessões com o corpo porque eu uma ex-bulímica recuperada há muitos anos dei por mim aos 30 anos a entrar numa roleta russa de emoções nada saudáveis com a comida.

Felizmente abri os olhos para o que se passava, tive apoio não só de amigos como psicológico e estou melhor, sinto-me mais tranquila com a alimentação apesar de saber que tenho um longo caminho pela frente para controlar a 100% as minhas compulsões, mas depois de grande parte do ano num completo desequilíbrio, termino o ano a saber qual o caminho certo a percorrer. 

Relação pessoal

Foi também um ano onde passei a ter uma relação à distância. Estamos juntos há quase 8 anos, vivemos na mesma casa há 6 e este ano depois de ter surgido uma oportunidade incrível ele foi viver para outro país durante um ano. Dei todo o meu apoio porque como já expliquei acredito em relações em que o respeito e a confiança são a base de tudo e por isso ele lá foi para uma experiência no estrangeiro. Esta situação mostrou-me que não gosto de viver sozinha, é verdade que ele vem cá regularmente (normalmente 1 fim de semana 2 vezes por mês) e que as novas tecnologias ajudam muito mas viver sozinha não é de todo aquilo que adoro. 

Quanto à nossa relação continua forte e apaixonada e garanto-vos que nem por um único momento neste tempo todo houve qualquer crise de ciúmes. É verdade que naturalmente nenhum dos dois é ciumento, mas esta situação veio provar ainda mais que efectivamente existe mesmo muita confiança naquilo que construímos. 

A perda

Como sabem perdi o Pablo em Agosto 9 dias depois de fazer 31 anos. 
Foi provavelmente dos momentos mais difíceis da minha vida, especialmente por ele ser tão novo - tinha apenas 4 anos - e sempre foi muito saudável. Morreu vitima de uma grave negligência médica e isso atirou-me para um buraco negro bem fundo que aliado ao já instável estado psicológico com que andava devido aos problemas alimentares me deixou ainda mais em baixo. 

Passei meses muito em baixo, chorei muito e revoltei-me várias vezes, foi uma fase complicada mas necessária para poder superar a perda de um dos seres mais bonitos que já passaram na minha vida e poder lembrá-lo só pelos momentos bons. Neste momento posso dizer que sinto uma grande saudade daquele peludo mas quando penso nele consigo largar um sorriso e não lágrimas como acontecia antigamente e acima de tudo consigo estar finalmente em paz comigo por saber que efectivamente eu fiz tudo o que podia para o salvar e dei-lhe a melhor vida que ele podia ter tido. 

Viagens

Foi um ano com duas boas viagens. Estive em Roterdão durante 4 dias e adorei por completo a cidade e depois regressei à minha amada Tailândia 1 ano e meio depois de lá ter estado. Foram várias as pessoas que me perguntaram o porquê de estar a regressar à Tailândia quando há todo um mundo para ver, claro que é verdade e eu quero conhecer tudo o que poder conhecer enquanto for viva mas a verdade é que eu sempre disse que a Tailândia exerce sobre mim um fascínio doentio e por mais que lá vá fica sempre muita coisa por descobrir. Desta vez fomos para duas ilhas e apesar de ter saído de lá já a pensar que tenho de ir a Chiang Mai e Chiang Rai, estou proibida de pensar em sudeste asiático no próximo ano portanto lá para 2018 falamos novamente :)

Blogue

Foi o ano de regresso ao blogue após a pausa mais longa de sempre desde que criei este espaço em 2010. 1 ano certinho foi o tempo que estive ausente daqui e durante esse tempo tive tanta certeza que nunca mais voltaria que estive mesmo para apagar o Lolly Taste mas uma mente mais iluminada e ponderada do que eu disse-me para o manter só em privado pois quem sabe um dia eu não voltaria. Eu sempre disse que não até que um dia sem razão aparente senti uma saudade imensa deste espaço e decidi voltar.

Neste tempo encontrei finalmente a minha voz na blogosfera, percebi efectivamente sobre o que gosto mesmo de partilhar com vocês e esse encontrar-me permitiu que apesar de só ter regressado  de vez em Abril, este fosse sem dúvida o melhor ano de sempre do blogue, tanto em visualizações como em alcance. Recebi muito carinho, muitos emails com desabafos ou a agradecerem-me por falar de determinado assunto e isso ainda me deixou mais motivada para continuar por aqui. 

Treinos

2016 começou com uma rotina de treinos completamente louca e assim esteve até Junho altura em que eu me senti mal e tive mesmo de abrandar. Fazia musculação 6 vezes por semana e 1 dia de cardio ou seja treinei praticamente todos os dias durante meses e como podem imaginar isto não faz bem a ninguém. Antes de ir de férias em Julho decidi que precisava de uma mudança na minha vida porque estava muito desiquilibrada e quando regressei inscrevi-me no Crossfit e voltei a apaixonar-me pelo exercício. Passei a aliar os treinos na melhor box do mundo com os treinos funcionais na praia e hoje sinto que encontrei efectivamente uma modalidade que me completa. Pratiquei musculação durante 4 anos e fui feliz durante esse tempo, mas quando deixei de sentir prazer em treinar percebi que tinha chegado a altura de mudar. Curiosamente termino o ano completamente ao contrário de como comecei porque se no início do ano eu estava a treinar a um ritmo louco neste momento toda uma preguiça se apoderou do meu corpo e sim eu sei que faço mal, mas se eu vos conto as coisas boas que vou conseguindo também vos conto as más :)

Em resumo

Não vou dizer que adorei 2016 porque é mentira. Teve algumas coisas boas especialmente este mês de Dezembro que trouxe tantos momentos e notícias felizes que já fez valer o resto do ano mas no geral e se tiver de colocar na balança acho que as coisas menos boas ganham.

E digo coisas menos boas porque reforço que apesar de tudo tenho uma boa vida e é preciso pensar quando efectivamente nos queixamos de um ano que existem pessoas por esse mundo fora que adoravam ter um único mês das nossas vidas com comida, casa, trabalho e segurança. Quanto a 2017 estou entusiasmada e tenho alguns planos, mas como o post já vai longo deixo para amanhã os meus desejos para o próximo ano :) 

E vocês qual o vosso balanço de 2016?

4 comentários :

  1. Juntos superamos tudo! Foi um ano nada fácil, mas o que não te deita abaixo torna-te mais forte! Lov u

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Sem duvida cada vez acredito mais nisto :)

      Eliminar
  2. Sem perder um post, há muito tempo que sigo silenciosamente o teu blog, pois identifico-me em muito do que escreves. Hoje deixo o meu apoio e obrigada.
    Depois de uma lesão que me tirou o sonho duma meia-maratona que nunca imaginei ser possível, alguém me disse que os anos bissextos são propícios a coisas más. Olhando para trás, parece que sim...
    Hoje, 10 meses depois ainda não estou a 100%, mas já olho para a meia-maratona do próximo ano é sei que vai ser possível!
    2017 está quase aí e com energia positiva, vai ser um ano em grande :)

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Querida Mariana obrigada pelo teu carinho fico sempre com o coração aos pulos quando alguém me diz que gosta do que partilho :) E esse é o espírito efectivamente 2016 foi um ano da treta mas quero mesmo acreditar que 2017 será melhor e desejo do fundo do coração que consigas alcançar o teu objectivo. De certa forma invejo-te porque eu que odeio correr admiro muito quem se propõe a correr distâncias longas, por isso let's go :) um grande beijinho e bom ano :)

      Eliminar