Esta fome emocional


Comer....porque comes tu? 
Porque tens fome ou será porque tens outra coisa qualquer e não sabes bem o que lhe chamar? 
Se não é fome é o quê? Se é fome, é fome de quê? E porque é que esta fome continua a persistir mesmo depois de almoçares ou lanchares? E porque é que esta fome só te faz desejar bolachas, doces, bolos e não fruta? 

Acreditem estas questões sempre foram das que mais invadiram o meu pensamento depois de me render a uma qualquer compulsão, sempre me questionei porque raio me deixava eu levar por desculpas, fossem elas de estar com a menstruação ou de simplesmente o dia não me ter corrido bem, qualquer coisa servia para que esta fome emocional tomasse conta de mim.


Eu sou uma pessoa extremamente emotiva. Vivo muito tudo, sinto muito as coisas, sofro por antecipação, tenho medo de confrontos e acima de tudo tenho mesmo quando perco o controlo sobre as minhas coisas. É verdade que com o passar dos anos passei a controlar melhor as minhas crises de ansiedade, e que nos últimos meses as minhas compulsões alimentares diminuíram muito mas isso não invalida que ás vezes comece a dar por mim a desejar coisas palermas só porque alguma coisa não correu como queria. 

Podem achar que é excesso de zelo, que sou demasiado rígida comigo e que tenho de me permitir certos pecados, não me interpretem mal porque se há coisa que eu defendo mais do que tudo na vida é equilíbrio e eu permito-me sair da minha rotina, mas isto que vos falo não é sobre permitir um ou outro desvio é comer para alimentar um vazio cá dentro, é comer para nos sentirmos melhor, é comer por recompensa é comer por qualquer coisa que não sabemos bem o que é, mas que cá dentro grita para o fazermos, é aquela fome que não nos faz distinguir os limites, é aquela fome que quando termina traz vergonha. 

Quantas vezes não comi coisas absurdas e depois escondia as coisas com vergonha que me apanhassem? Eu lembro-me perfeitamente que enquanto me rendia a esta fome emocional pensava para mim que estava a passar dos limites, mas em vez de lutar contra isto deixava-me ir porque naquele momento só a comida me podia salvar da angustia que me levava até ali. Quanto ao depois era só de punição, de tristeza, de vergonha para comigo, de me sentir fraca e de prometer a mim mesma que não o voltava a fazer até...acontecer novamente.

Acredito profundamente que é necessário tratar esta fome emocional de dentro para fora e não o contrário, acredito que não se trata de começar a fazer uma dieta espectacular que nos leve ao corpo dos nossos sonhos, mas sim de perceber o que se passa no nosso interior e o que nos leva a ter este tipo de atitudes, pois só depois de percebermos a causa é que estamos mesmo preparados para mudar o exterior. Podem achar palerma mas acreditem que é verdade, nenhuma dieta funcionará se não admitirem que comem para controlar emoções, e garanto-vos que há mínima falha na dieta ou quando chegar a uma altura em que o corpo deixa de responder vão esbarrar-se nas emoções novamente. 

Durante muitos anos eu comi para alimentar os meus medos e frustrações, eu comi por todos os kilos que não perdia e pela barriga que não tinha, comi pelas relações falhadas, pelos dias menos bons ou simplesmente porque estava em casa sem nada para fazer e a melhor forma de ocupar o tempo era comer o que me aparecia pela frente. Olhando para trás, percebo agora que durante muitos anos eu fui refém da comida e fico triste por isso.

Hoje em dia esta fome emocional já não me atinge com tanta regularidade, o que não invalida que não tenha de fazer exercícios mentais de vez em quando para me controlar quando estou numa situação de me deixar levar pelas emoções, porque sim apesar de agora me sentir mais controlada e serena comigo mesma, eu sei que ainda tenho muito que trabalhar emocionalmente para não deixar as compulsões levarem a melhor. 

E sabem uma coisa? No fundo eu acho que a solução para acabar com esta fome emocional passa por mudar o chip na nossa cabeça, começar a questionar sempre que nos deparamos com uma vontade imensurável de atacar a despensa e acima de tudo por mantermos bem vivas as memórias do pós. 

Vocês sabem que o pós de uma compulsão nunca é bonito, portanto de uma próxima vez que te fores render à fome emocional lembra-te de todos os nomes feios que te chamas a ti própria, lembra-te da sensação de vazio e tristeza, lembra-te da vergonha que sentes, respira fundo e volta atrás, se conseguires isto estás um passo mais perto de te libertares desta fome emocional e garanto-te que não há sensação melhor do que estas pequenas vitórias. 

2 comentários :

  1. Compreendo e admiro-te muito! Vejo-me nas tuas palavras. Continuo a lutar contra a compulsão a cada dia que passa.
    Continua a escrever, és uma inspiração. Beijinhos

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. muito obrigada pelo teu comentário, deixaste-me com um grande sorriso :) Muita força para ti.
      beijinhos

      Eliminar