Vai com tudo



Hoje falo para ti, que treinas, que te alimentas bem, que tens ambições mas por alguma razão escorregaste no teu percurso, deste um passo para o lado e pensaste em desistir. 

Falo para ti como posso falar directamente para mim, acredita eu sei bem o que é achar que não vale a pena, sei bem o que é achar que me esforço tanto para uma recompensa tão pequena, sei melhor ainda o que é sentir que dou tudo de mim em cada treino e que o corpo simplesmente não reage. Sim eu sei a frustração que isto é, sei o que é ter objectivos e sentir que é tudo em vão, que só funciona com os outros e que nós por alguma razão misteriosa nunca vamos conseguir sair de onde estamos.

Muffin de banana, manteiga de amêndoa e aveia



Já nem me lembro a última vez que publiquei uma receita, por isso a semana termina por aqui com uns muffins óptimos para acompanhar com um chá ou até para serem comidos como refeição pré-treino. O melhor disto tudo claro está é que são bastante saudáveis.

Esta receita saiu mesmo da minha cabeça, o que para quem detesta cozinhar é coisa para me deixar para lá de orgulhosa, pois basicamente surgiu da necessidade de dar um fim a duas bananas que tinha na fruteira já com ar que estavam em término de vida.

Hambúrgueres vegetarianos Veggie Nessie




Hoje trago-vos provavelmente um dos melhores projectos que conheci este ano, os maravilhosos hambúrgueres vegetarianos da Veggie Nessie.

Não sei muito bem como é que descobri isto, andava a vaguear pelo facebook e apareceu-me um anúncio que chamava a atenção para hambúrgueres vegetarianos com entrega em casa e sendo eu uma verdadeira adepta de tudo o que sejam compras online e que me possam facilitar a vida entrei na página para saber mais.

Até ao fim


Uma coisa que o crossfit me tem ensinado é a não desistir, nunca em momento algum.
Há WODS difíceis, há WODS que me deixam a pensar porque raio fui eu meter-me numa coisa destas, mas não há um único treino que eu deixe por terminar, não há um único em que eu não faça todas as repetições, sem aldrabar, sem passar do 2 para o 5 mesmo que isso me custe o couro e o cabelo.

30 dias


Passou exactamente um mês desde que te perdi. 30 dias certos sem olhar para ti, sem te tocar, sem ver o teu ar de felicidade quando eu chegava a casa, sem te ter a ocupar todo o meu lugar no sofá e a obrigar-me a contentar-me com um mísero espaço para tu poderes dormir à vontade.
30 dias se passaram e eu tive de voltar a aprender a viver sem ti.

Uma coisa que sempre comentei enquanto foste vivo é que já não me lembrava de como era a vida antes de ti, de como era a casa sem os teus milhares de pelos a voar por todo o lado a colarem-se à minha roupa ou de como era acordar sem te ter nos pés, não me lembrava e gostava dessa sensação de não lembrança porque a vida contigo era muito mais bonita. Mas nestes 30 dias voltei a ter de saber o que é e se antigamente, antes de tu existires eu achava que era porreiro ter uma casa só para dois, agora que sei o que foi ter-te nas nossas vidas digo-te que dói muito estar numa casa só de dois, dói muito ter de aceitar que já não estás, dói acima de tudo ter de voltar a viver sem existires na nossa casa e nas nossas vidas. 

Faz a diferença agora.



A UPPA, esse cantinho de sonho plantado num sítio bonito e que alberga 70 vidas totalmente dependentes de mãos solidárias precisa de ajuda. A UPPA que ao longo de quase 9 anos tem ajudado tantos patudos a encontrar uma família, tem recolhido de situações extremas cães que deixam para trás passados difíceis e que tantas outras vezes tem de lidar com abandonos no portão do albergue ou devoluções de animais que pensava terem sido bem entregues precisa agora que sejam vocês ai desse lado a esticar a mão e a ajudar.

Dá ouvidos ao teu corpo



A semana passada fiz uma pausa nos meus treinos.
Fui treinar na segunda feira com os Outsiders Gym, o relógio tocou e eu fiquei mais de 10 minutos na cama a pensar se ia ou não ia quando normalmente me levanto até bastante bem disposta, acabei por ir, treinei mas quando cheguei a casa senti um cansaço fora do comum. Fui trabalhar mas durante todo esse dia senti-me sem energia, cheguei a casa e quando comecei a preparar as marmitas para o dia a seguir percebi que precisava que o meu corpo precisava de descansar.

Uppaliano da Semana: Tofu

Follow my blog with Bloglovin

Sou voluntária na UPPA há exactamente 3 anos e apesar de já ter visto casos dificeis de abandonos e devoluções ou ter conhecido histórias muito tristes de maus tratos confesso que ainda me continuo a surpreender com certas coisas que acontecem e a história do Tofu foi uma dessas que me deixou de queixo caído e lágrimas nos olhos, porque há alturas em que me custa acreditar que divido o mundo com pessoas tão cruéis.

Conheçam então a história do Tofu. 

Uma experiência pouco feliz

A perda do Pablo afectou-me e continua a afectar-me bastante, o facto de não o ter na minha vida, de sentir a casa muito vazia e de continuar a não aceitar tudo o que se passou, fez com que nas últimas semanas a minha vontade para fazer coisas nomeadamente cozinhar andasse a baixo de zero. E foi num desses dias,  que dei por mim a pensar "então o que vou eu almoçar amanhã?" 

Eram 22h20, não tinha tirado nada para descongelar e lembrei-me do serviço A Marmita. Nunca tinha experimentado, conhecia essencialmente por já ter ouvido falar que entregavam refeições no dia seguinte (entre as 09 e as 13h) se fizéssemos a encomenda até às 23h e com um preço bastante interessante de 3.99€, portanto decidi que essa ia ser a minha opção. Fui então ao site, procurei pelas opções e fiquei muito agradada de saber que tinham vegetariano, escolhi então crepes de legumes com arroz de ervilhas, paguei e fui dormir feliz e contente pois tinha resolvido o meu problema de falta de almoço.

Esta Tailândia que eu amo


Tailândia meu amor antigo e eterno, falar deste país é deixar-me com os olhos a brilhar, é sentir o coração pulsar de entusiasmo, é arrepiar-me com as lembranças, com o caos, os cheiros, as pessoas a vida. É um arrepiar de alegria, de querer voltar já amanhã sem bilhete de regresso, de saber que já vi tanto e ainda há um mundo por descobrir. 

Fomos em Julho pela segunda vez, e por mim continuaremos a ir todas as vezes que nos forem possíveis. Sim eu sei que há todo um mundo para descobrir, há países incríveis que merecem ser descobertos mas não vos consigo explicar aquilo que sinto ao falar da Tailândia. E acreditem em mim quando vos digo que não vão encontrar ninguém que lá tenha ido e não vos diga com os olhos a brilhar "tenho de voltar".

Psicoterapia não é vergonha




Quem faz psicoterapia costuma ter vergonha de assumir que o faz, que há um ou dois dias da semana em que vai ter com um estranho para desabafar tudo o que não consegue dizer às pessoas que o rodeiam. Quem recorre a este tipo de ajuda, sente-se muitas vezes com medo de ser olhado de lado, porque infelizmente a depressão e a ansiedade ainda são vistas como um bicho papão de que as pessoas não gostam de falar e ainda há muita gente que não entende que sim são doenças e não manias. Eu sei disto porque fiz psicoterapia durante 1 ano e meio e também eu tinha vergonha de contar a muita gente que ia ao psicólogo. 

Nem sempre vai ser fácil.


Nem sempre te vais sentir super motivada para treinar ou para comer bem. Vão haver alturas em que te vai apetecer esquecer que tens um plano e vais querer comer o mundo. Vão haver alturas em que te vais odiar, que vais sentir que treinas bastante, que dás no duro e nada muda, nada acontece. 

Infelizmente nem sempre vais acordar bem disposta, a achar que tudo isto vale mesmo a pena, infelizmente vão haver dias em que consegues ser a pessoa mais bárbara do mundo para contigo mesma. Vais desmotivar, vais sentir-te fraca especialmente depois de te renderes às temidas compulsões e deres por ti a despachar um pacote de bolachas como quem bebe um copo de água, eu sei não é fácil, acredita que sei.

Resolução


Olá Setembro sê bem vindo.

É incrível como chegaste rápido, quase nem dei por ti como não dei pela chegada dos outros meses, porque a verdade é que o tempo nos últimos anos tem passado demasiado rápido. Agosto foi um mês estranho, fiz 31 e recebi-os com um sorriso nos lábios e por outro lado perdi o meu Pablo, um dos seres mais importantes da minha vida e a minha alma por dentro está feita em cacos apesar de aos poucos estar a retomar a minha vida.