Cães adultos também merecem uma oportunidade


Há 3 anos, quando entrei para a UPPA, o meu primeiro passeio foi com o Filipe, um cão muito meigo, um verdadeiro pachorrento, que só quer festas, mimos e é muito calminho. Acho que o Filipe é sempre o cão que calha aos novos voluntários no primeiro passeio, pois não há maior paz de alma. De seguida, colocamos o Filipe na box e deram-me o Lord...

O Lord era um total tresloucado. Pêlo muito crespo e desarrumado, uma língua gigante sempre de fora, uma energia enorme, com a mania de morder trelas e coleiras assim que entrávamos na box, e uma vontade gigante de correr por todo o lado, ou seja o contraste do Filipe.

Fiz o passeio com ele, mas acho que quem foi passeada fui eu, porque corri quase pela vida naquele dia, mas não sei como vos explicar, aquele cão roubou-me o coração naquele exacto momento e por isso decidi apadrinha-lo.

O Lord sempre foi um cão muito afável com todos os voluntários e não havia ninguém naquele albergue que não gostasse dele. Quanto a mim eu sentia mesmo que tínhamos uma relação especial, o Lord reconhecia-me e sentia mesmo que eu gostava dele de uma forma especial e eu sentia que ele me acarinhava muito. Foram muitos os momentos em que pensei em adotá-lo, mas sabia também que não estava preparada para a responsabilidade que é preciso para ter um cão e por isso optei por não o fazer.



O Lord já tinha sido adoptado antes, viveu numa grande casa com um grande jardim, mas foi cruelmente devolvido por se ter chateado com o cão que já vivia na casa antes. Conseguem imaginar a dor que é para um animal ser devolvido? Ser retirado de tudo o que conhece para ser colocado numa box? Tudo porque um dia se chateou com outro cão.

O Lord era um cão maravilhoso, que adorava água, sabia sentar e dar a patinha e acima de tudo era muito meigo apesar de tresloucado. Durante estes 3 anos tentei dar-lhe o melhor que pude, levei-o à praia, fazia sempre passeios maiores com ele, dava-lhe muito mimo quando estava na UPPA e sempre desejei que alguém se encantasse por aquele cão doido como eu me encantei. Fui a melhor madrinha que consegui ser para este pequeno.



Até que o mês passado, assim de surpresa uma senhora olhou para o Lord com os mesmos olhos que os meus e viu nele o cão espectacular que é. Se é o cão mais bonito do mundo fisicamente? Não, não é, mas tem uma beleza interior tão grande que era impossível ficar-lhe indiferente. Esta pessoa não só viu no Lord o seu cão, como não se importou de ser um cão adulto, mais do que a idade viu nele o cão maravilhoso que realmente é.

E assim foi, o Lord foi passar uns dias a sua nova casa, para ver se se ambientava ao novo espaço, e aos amigos felinos que já habitavam na casa e superou a prova. Como já estava habituado a lidar com gatos antes, a habituação foi fácil, o Lord mudou de nome passando a chamar-se Woody e tem finalmente o lar que tanto merece.



À família que o adoptou só posso agradecer que o tenham visto com olhos de ver, com olhos cheios de amor, pois para mim apesar de um pequeno aperto por saber que quando for à UPPA ele já não estará por lá, não há nada mais reconfortante do que o ver feliz numa casa quentinha, com uma família que o ama.

Para quem pense em adotar, olhem para os animais adultos com amor, pois eles têm muito para nos dar.
 

9 comentários :

  1. Lindo este post! O Lord e' sem duvida uma canito muito especial com muito amor para dar e merece tudo de bom neste mundo como tantos outros tambem merecem! Mais um anjinho que encontra uma casa e quem o ame como ele merece! Parabens Lord, teras sempre um lugar especial no nosso coracao ;)

    ResponderEliminar
  2. Que bonito! Fiquei tocada!

    ResponderEliminar
  3. A última foto é uma delícia, é a cara da felicidade :)
    Fiquei muito feliz por terem visto a beleza do Lord e o terem adoptado, espero que corra tudo bem. E a ti, todo o respeito do mundo por seres activa numa causa tão nobre. Eu gostava de adoptar mas não tenho de todo condições para isso e quanto ao voluntariado, por incrível que pareça, aqui onde vivo (Suécia) nunca vi um animal abandonado em 7 anos de residência. É uma das coisas que mais gosto neste país. Quando vou a Portugal costumo comprar ração e doar a vizinhas dos meus pais, que são voluntárias em instituições.
    Beijinho

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. sim na última foto ele tinha ido passear fora do albergue e ficava muito contente quando andava de carro :) Sabes que estive este fim de semana no luxemburgo e em Roterdão e reparei exactamente nisso, que não existem animais abandonados na rua e é tão bom perceber que as pessoas os respeitam. Infelizmente em Portugal estamos a anos luz dessa realidade :(Obrigada pelo carinho. beijinhos

      Eliminar
  4. Toda a sorte do mundo para o Lord, valeu a pena a espera ♥ Ainda me lembro da primeira vez que fiz voluntariado, deram-me dois cães para a mão e quase fui arrastada pelo terreno fora ahaha
    beijinho

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. obrigada, o Lord está mesmo mesmo feliz com a sua nova familia :) os primeiros passeios são sempre animados, e ainda hoje com alguns cães é uma verdadeira aventura. beijinhos

      Eliminar
  5. Tantos corações <3 <3 <3

    ResponderEliminar