Um amor chamado Açores #1



Setembro trouxe-nos a segunda viagem do ano a um dos sítios mais bonitos onde já estive, a ilha Terceira nos Açores. Há muito tempo que a minha curiosidade pelos Açores era grande, não conhecia ninguém que lá tivesse ido e não tivesse gostado e depois de algumas ideias para as férias de Setembro, foi sobre a ilha Terceira que recaiu a nossa escolha e a verdade é que não poderia ter sido mais acertada pois sem dúvida nenhuma que os Açores roubaram-me mesmo o coração.







A magia dos Açores começa a envolver-nos assim que começamos a chegar ao aeroporto das Lages. Os nossos olhos são invadidos por tantos tons de verde que é impossível ficar indiferente a tanta beleza natural, há imensa variedade de árvores, plantas, e muitas muitas flores especialmente hortênsias que conferem à ilha um toque de cor muito especial. Como estamos numa ilha, o clima é bastante húmido, e mesmo quando não está muito sol o tempo é bastante abafado. Tivemos sorte com a chuva, pois só apanhámos um dia mais complicado, de resto tirando o vento esteve sempre muito bom para passear. 

Por termos um familiar militar tivemos a hipótese de ficar alojados na base militar das Lajes e sendo eu uma apaixonada por aviões, foi uma oportunidade incrível poder ter um contacto mais directo com esta zona da ilha que de outra forma estaria completamente interdita. Como sabem a base das Lajes está dividida numa parte portuguesa e outra americana, e poder ver um pouco mais sobre os hábitos americanos foi bastante interessante. 

Houve direito a uma noite de bowling acompanhada por verdadeira fast-food americana, pude conhecer e babar-me por um monte de chocolates que não existem em Portugal, percebi que tudo para eles tem de ter manteiga de amendoim e fiquei ainda com uma grande vontade de ir treinar ao centro de treinos deles, era enorme e super bem equipado, mas infelizmente a minha entrada nessa zona não era permitida. 



Fomos conhecer o Algar do Carvão que fica situado em Porto Judeu, um dos sítios mais bonitos onde já estive na minha vida. Trata-se de um antigo vulcão categorizado de vulcão vazio, existem 4 vulcões assim no mundo e só este pode ser visitado. Entrámos lá dentro, pudemos ver a boca por onde saiu a última erupção e descemos imenso para contemplar um verdadeiro espectáculo de estalactites e estalagmites. Estava imenso frio e chovia lá dentro mas valeu mesmo muito a pena.




Outra das coisas que me prendeu nos Açores foram os campos cheios de vacas. Quem me conhece sabe que tenho um certo fascínio por este animal especialmente as vacas leiteiras. Acho-as patuscas e caricatas e sempre que vejo uma entro em delírio, agora imaginem passar uma semana numa ilha que está apinhada delas pelos campos e estradas. Elas convivem muito bem com a nossa presença e pouco ou nada nos ligavam, já eu tinha andava em histeria a tirar fotos. 




Fizemos também o trilho das furnas de enxofre onde se podia ver imenso fumo a sair de buracos no chão e toda a zona tinha aquele cheio característico do enxofre. Foi um passeio que adorei fazer, apesar do muito vento que se fazia sentir nesse dia. 

Como podem ver o verde pauta a maioria das fotos que coloquei aqui e é maravilhoso olhar para qualquer lado da ilha e ver esta paisagem, no entanto há um outro lado mais azul e igualmente bonito da ilha Terceira que também me deixou, completamente rendida a este cantinho perdido no meio do Atlântico, mas isso será post para outra altura. 

3 comentários :

  1. tantas vaquinhas lindas! deve ser fantástico passar uns dias por aí :)

    ResponderEliminar
  2. Açores sempre no coração!

    ResponderEliminar
  3. Os Açores são mesmo a natureza no seu estado mais puro, lindíssimo sem dúvida! *

    ResponderEliminar