Dos regressos


Cá estou de volta a este espaço. Nos últimos tempos têm sido comuns algumas ausências prolongadas por aqui, nada a ver com falta de inspiração mas sim com falta de tempo, muitas horas a trabalhar e pouco tempo para o que gosto.
Quem tem um trabalho como o meu, sabe bem do que falo, são semanas que parece que não acabam, são horas e horas em frente ao computador, muitos projectos e prazos demasiado curtos. É uma rotina que se instala de casa-trabalho-casa que nos deixa claramente a pensar que o tempo passa demasiado depressa para tudo aquilo que queremos fazer.

São fases é um facto, há alturas mais calmas em que é possível combinar coisas depois do trabalho, mas esta não é uma delas e eu já sabia há muito tempo que seria assim, por isso talvez acabe por não me queixar tanto como os que estão à minha volta, aqueles que claramente sentem que tenho pouco tempo para mim e para eles. 

Estamos perto do Natal, e se para muitos já é um enjoo e ainda só estamos em Outubro, eu que já vivo a palavra Natal desde Maio (especialmente sobre uma certa personagem que brevemente estará por ai), acabo por encarar de forma natural toda esta publicidade antecipada que acontece meses antes, e sinceramente acho que a maioria das queixas de quem vê a promoção do Natal antecipadamente, acontecem por se aperceberem que o tempo claramente voa depressa de mais e que parece que foi há muito pouco tempo que montámos a árvore, e foi sem dúvida.

Nesta vida que levamos a mil, o tempo voa estupidamente rápido, eu cada dia me apercebo mais disso, por isso acabei por deixar de me queixar e entender que apesar de tudo sou feliz. Adoro o que faço (apesar de neste momento sentir que o corpo e a mente já reclamam de um merecido descanso), tenho ao meu lado pessoas maravilhosas que são o meu suporte para manter a estabilidade e consigo com muito poder de encaixe, manter uma actividade física regular recorrendo ao exercício antes do trabalho (algo que me dá mesmo prazer fazer principalmente nestas alturas de stress) e continuar a dedicar-me ao voluntariado dos patudos.

O blogue, este espaço que tanto me dá prazer, acaba por ficar um pouco de parte nestas alturas mais críticas, mas é um espaço meu e que irei sempre voltar mesmo com algumas pausas pelo meio, pois fora todo o gosto que sempre tive em alimentar este cantinho já me trouxe poucos mas ricos conhecimentos que se tornaram maravilhosas amizades e que não precisam de ser nomeadas para saberem que também já fazem parte de tudo isto. 

Assim sendo venha de lá mais uma semana, que será recebida de sorriso no rosto e encarada como menos uma para as férias!

7 comentários :

  1. Não te preocupes. Toda gente sabe o que é ter mais trabalho e ter semanas terríveis sem vida fora do escritório. Mas estaremos aqui deste lado à espera de ti, quando voltares! :)

    ResponderEliminar
  2. Sei perfeitamente o que é não ter tempo para nada a não ser trabalho-casa-trabalho, espero é que não o faças por muito tempo, tive uma fase na minha vida de 1ano e 6 meses em que era assim e ia ficando doente, não havia horas para sair do trabalho e foi muito complicado. Foi nessa fase que Natal era todo o ano (trabalhava numa empresa iluminação festiva)... E nessa altura nem pinheiro enfeitado tivemos em casa, porque já não podia com mais coisas natalícias :D
    Já estou curada e já enfeito tudo em casa :D

    ResponderEliminar
  3. pensamento positivo , é isso mesmo :)

    ResponderEliminar
  4. Vai de acordo com a nossa conversa e sobre o que falámos de prioridades. Para muitos este canto é uma vida, para outros uma vida real vem primeiro e ambas sabemos que a segunda opção tem muito mais a nossa cara :)))

    ResponderEliminar
  5. Uma boa semana, cheia de pensamentos positivos :))

    Beijinho!

    http://oomeupequenocantinho.blogspot.pt/

    ResponderEliminar
  6. Sinto o mesmo! O tempo corre porra... Vamos apanha-lo? :)
    http://allaboutmakemehappy.blogspot.pt/

    ResponderEliminar
  7. O tempo passa estupidamente rápido, mas sinto o mesmo que tu, por mais que me afaste deste canto quando não tenho tempo, volto sempre, pois faz parte de mim, apesar de existirem outras prioridades, a saudade sente-se *

    ResponderEliminar