Zombie Walk Montreal 2012











Continuando no espírito do Halloween, descobri que no dia 20 de Outubro em Montreal no Canadá, houve uma verdadeira marcha de Zombies pelas ruas e achei incrível o facto das pessoas levarem este tipo de iniciativas mesmo a sério e empenharem-se realmente na sua máscara. 
Inspirados pela febre do Walking Dead, centenas de pessoas saem à rua para se divertirem, e terminarem a caminhada em festa, com música e muitas animações. Uma verdadeira festa Zombie!
As fotografias são de Chantal Levesque

DIY: Halloween Toppers




Para a noite mais assustadora do ano, nada melhor do que entrar no espírito a rigor e para quem prefere estar com os amigos em casa, a sugestão de hoje é um DIY bem simples de topos decorativos para colocar por exemplo em cima de cupcakes ou outros doces que possam vir a fazer.

É uma ideia gira, rápida e que de certeza vai tornar a vossa noite ainda mais divertida. 
Para descarregarem o ficheiro com as figuras e verem como se faz vejam aqui.


Este país não é para ninguém



Há demasiado tempo que se fala em crise, uma crise financeira sem precedentes, mas creio que lado a lado se encontra uma crise de valores vergonhosa e dessa pouco se fala. Não há regras, as pessoas fazem simplesmente o que querem e lhes apetece porque sabem que do outro lado está muito mau e por isso acham-se no direito de abusar de quem precisa.

Ontem soube de um caso de uma pessoa muito chegada que me chocou tremendamente, os chefes chamaram todos os funcionários e queriam que todos sem excepção assinassem um papel em como declaravam prescindir do subsídio de férias e de natal. Como legalmente têm de pagar, a única forma de não o fazerem era assim, ninguém assinou e foram todos ameaçados com despedimentos. 

Sinto-me envergonhada de viver num país assim, num local onde se brinca com a vida das pessoas, porque há quem precise e se tenha de sujeitar, é triste, vergonhoso e nojento.

Também a mim já me aconteceu algo deplorável, contratarem-me com a promessa de um contrato, e durante meses aproveitarem-se dos meus recibos para irem arrastando esta situação, sempre com a promessa de um contrato, sempre com a história de que este mês não dá, mas para o próximo sim.
Entretanto tive que fechar actividade porque o meu ano de isenção ia acabar e no lugar do suposto contrato surgiu a brilhante ideia de receber totalmente por fora, assim uma espécie de padrinho da mafia...,a desculpa essa era sempre a mesma, isto está mau, não podemos fazer já contrato mas queremos.

Confesso que se há coisa que tenho de bom, é discernimento e capacidade para perceber quando as situações entram num ciclo vicioso de abuso, e como me recuso tremendamente a compactuar com estes esquemas não aceitei manter-me numa situação laboral de precariedade total. Felizmente a vida tem-me tirado com uma mão e de certa forma dá-me com outra.

Mas são casos como estes que cada vez mais acontecem e as pessoas não denunciam, não saltam fora, porque têm medo do futuro, porque é melhor assim, receber por fora com o risco de não nos pagarem e de nos mandarem embora a qualquer altura do que ir lá para fora sem nada, e agarram-se tanto a este nada que não percebem que no fundo estão a viver uma fantasia que mais cedo ou mais tarde vai dar buraco. É cruel viver num país assim.

Claro que há sempre quem diga: "se estás mal muda-te",  mas claramente as pessoas que dizem isto não sabem da decisão difícil que é decidir emigrar. Muita gente quando visita um país  acha sempre que ali sim seria feliz, mas essa é a visão do turista, a visão bonita e romântica da coisa, porque mudar mesmo, ir para outro local completamente diferente não é fácil, e quem disser o contrário está a mentir, há muita coisa que se deixa para trás, e acredito que há muitos momentos de solidão.

Porque a verdade é que há uma grande diferença entre quem emigra porque quer, porque sempre foi o seu sonho viver alguns anos noutro local, para crescer e ter outra aprendizagem, e aqueles que emigram porque não há mais nada a fazer, porque o futuro é negro, porque a esperança está a zeros e porque um dia se acorda e se percebe que este país não é para ninguém.

E são esses que claramente levam a bagagem mais pesada.

Packaging Love Brownies









Eu tenho uma fixação por Packaging, portanto não é de estranhar que seja das coisas que mais pesquiso e onde procuro inspiração. Quando descobri este projecto, fiquei duplamente apaixonada, porque a embalagem e todo o estacionário são amorosos como o interior é de babar.

E há melhor coisa do que brownies com um packaging bonito? É mesmo de ficar a desejar ter uma caixinha destas.

O trabalho é de uma dupla feminina de designers que descobri há cerca de um mês e que me tem deixado cada vez mais empolgada com os projectos que realizam.
Visitem aqui o site Supafrank.

DIY: Camisa de ganga com lenço




Confesso, assim que vi este DIY, os meus olhos colaram no ecrã e fiquei a pensar que tenho mesmo de fazer isto. Sou fã de camisas de qualquer estilo, mas confesso que nutro um carinho pelas de ganga e o mix com estes lenços fica realmente bonito. Gosto também de ser fácil de usar em qualquer estação.
Portanto tenho desafio para os próximos tempos 

Anéis para meninas bonitas












Diz que há um monte de anéis novos na crafts with love.
São todos ajustáveis e custam 3.50€
Visitem a página e façam like, ajudem este projecto a crescer

Hipster Starter Kit











E porque ser Hipster está na moda, nada melhor do que ter um Kit de iniciante para quem se quer aventurar nestas modas sem fazer má figura. Confesso que achei esta ideia genial.
Um trabalho do croata Mihael Miklosic que com apenas 18 anos tem já projectos muito interessantes.

Brunch no Chef Nino









Sábado passado decidi experimentar um Brunch na zona de Lisboa, e sendo novata nesta área de brunches, guiei-me pelas excelentes sugestões do blog Glimmer Le Blonde que tem diferentes e muito boas opções neste campo.

Acabamos por escolher o Chef Nino, no Lx Factory. Já lá tinha estado a comer um gelado e fiquei muito bem impressionada com o espaço, que é muito acolhedor e está eximiamente bem decorado.

O brunch é muito completo e é diferente todas as semanas. Neste sábado tivemos direito a croissants, dois tipos diferentes de pão, sumo natural, diferentes compotas, queijo, carnes frias, manteiga, sopa vichyssoise, iogurte natural com sementes de romã e muesli, omelete acompanhada com salada e mousse de chocolate com morangos. Por fim ainda é possível optar por chá ou café.

Gostei de tudo, da apresentação, dos sabores e do facto de ter ficado extremamente satisfeita, sendo sem dúvida uma experiência a repetir. De salientar ainda a simpatia dos funcionários.

O brunch funciona ao sábado e domingo entre o 12h30 e as 15h30 e o preço é de 11,50€.

Para conhecerem mais sobre este espaço visitem o Facebook.