Gipsy Portait























"Olhar nómada"

"Marginalizados da sociedade, ou povo nómada, herdeiro de uma cultura riquíssima?
A história da etnia cigana gera ainda hoje muita controvérsia e a sua condição contínua envolta em mistério. Crê‐se que este povo enigmático é originário do noroeste da Índia e que, por razões desconhecidas, terá sido obrigado a abandonar o território, tornando‐se nómada. Chegado à Europa por volta do séc. XII, a sua presença em Portugal data apenas de meados dos éc.XV.

Seis séculos passados, os ciganos estão ainda hoje associados a lendas e capacidades divinatórias e são, do ponto de vista social, uma minoria étnica que tanto se auto‐exclui como é marginalizada pela nossa sociedade.

“Olhar nómada”, é um projecto de fotografia documental que nasce da necessidade de conhecer e dar a conhecer as diferentes realidades da vida quotidiana actual, facultando uma abordagem diferente deste povo. Desperto para os seus hábitos, costumes e tradições, o autor, José Maria Ferreira, propõe‐se a dar expressão ao seu interesse por esta etnia e a registar o encanto da sua cultura,tão rica quanto misteriosa.

Assim, ao longo de aproximadamente um ano (2008/09) estabelece uma relação de proximidade com os seus membros, visitando regularmente três acampamentos de ciganos situados em Faro. Por meio da sua objectiva apreendeu olhares, expressões, posturas, hábitos; sentiu‐se entrar num mundo perdido;viu reflectido o presente e o passado em cada gesto; vivenciou a ligação das crianças à terra, a recriação de costumes ancestrais.

Por fim, mais do que simples imagens, captou a alma de um povo em cada rosto,em cada olhar,em cada sorriso,em cada lágrima..."

Projecto de um fotógrafo português José Ferreira que admiro bastante e que já aqui antes tinha publicado.

Apenas um desabafo....



hoje para mim é sexta! Oh que chato.

Back to Oldies versus Reality: Round 3



Ora cá temos a primeira participação masculina neste Back To Oldies. Chama-se Miguel Oliveira, e resolveu também dar o seu contributo a esta rubrica.

Na primeira foto vemos um ser todo ele com ar que se está a borrifar para a foto. Aliás toda esta foto nos transmite que o raio do rapaz saiu da cama, e foi-se fotografar. O cabelo não tem explicação, partes dele no ar, partes no meio, o lado esquerdo mais alto que o direito, ou seja nunca se chega a perceber que tipo de corte usava o rapaz, mas que não era amigo da escova isso percebemos nós.

Depois gosto muito dos olhos e do sorriso, como se ainda estivesse a dormir e alguém o fosse acordar a dizer: "Miguel há bollycao para o pequeno almoço" e ele esboça aquele sorriso e olhares sonolentos. Se tiverem com atenção percebem que o miúdo está na fase do buço, não tem barba, mas tem ali qualquer coisa cinzenta, gosto disto. Para terminar não posso deixar de reparar na bonita sweat que só tem um cordão, a combinar com a bonita flanela por dentro.

Na foto do lado, o pequeno cresceu e bem, mostra-se mais cuidadoso com a aparência, penteadinho ao milímetro, e acima de tudo o buço transformou-se em barba rija. Enfim um senhor respeitável.

Miguel Oliveira não tem blog, e apenas aparece aqui porque foi praticamente obrigado a isto. Miguel Oliveira é o meu homem!

Amanhã há mais Oldies!

É Natal, é Natal...





no hall de entrada do meu prédio. Confesso que não sabia que havia malta que decorava as entradas dos prédios para o Natal, mas pelos vistos o meu faz. O que me leva a uma questão muito pertinente que é:

Prédio de Vânia tem árvore de Natal vs Casa de Vânia não tem porque ainda não comprou...

Não que esteja a pensar nisso, por amor de Deus que eu moro na linha filhos, mas se por uns breves instantes a árvore desaparecesse da entrada do prédio e fosse lá colocada outra planta, acham que alguém dava conta?

Hummm...vou ali pensar nisso com carinho!

Big Girls don't cry











O universo pin up é sempre interessante e chamativo, gostei deste projecto para a Nivea e deu-me umas saudades gigantes do Verão. Trabalho português da fotógrafa Ana Dias.



Back to Oldies versus Reality: Round 2



A segunda vítima a cair na rede dos oldies é a simpática Lisbo@ do blog Conversas da Loira.

Ora na primeira foto com 1 ano e de sorriso mesmo rasgado, vemos que realmente estava contente a tirar a foto, notamos também que o cabelo meio desgrenhado possuía um milimétrico risco ao lado mesmo bem feito.

Na segunda foto já com 3 anos, a miúda cresceu e mudou, gosto especialmente da meia de renda até meio do joelho mas o que contínua imaculado é o perfeito risco ao lado.

Na terceira foto com 6 anos, a nossa blogger decidiu dar o grito do Ipiranga e dizer "Basta de risco ao lado que isso é para betinhos", os pais da pequena lá lhe fizeram a vontade e fizeram-lhe o famoso corte à tigela. Nota-se pela cara de "alegria"que ficou extremamente satisfeita com o resultado. Talvez por isso se tenha revoltado e desta vez nada de meias até ao joelho.

Por fim eis aqui a moça com 17 anos, a olhar para o lado numa de sei que me estás a fotografar mas vou fixar o horizonte para parecer que não estou a ver, nota-se que já manda no seu couro cabeludo, o que mostra que anos a fio a lutar contra o risco ao lado e o corte tigela valeram apena.

Obrigada pela participação e amanhã haverá mais....com o primeiro representante masculino.






E ontem BRUTAL!




Ora o palco TMN estava literalmente ao barrote para receber CSS, maioritariamente povoado por um público bastante adolescente e histérico, lá se iam encontrando umas caras mais velhas, a RTP e uns quantos VIP que ficaram separados do povo. A noite começou com uma banda portuguesa chamada Lábios, e que agradavelmente me surpreenderam pela positiva. Muita energia, boa voz, boa música e até o microfone me deram para gritar qualquer coisa como "OH OH OH DIVA NÃO" acho que foi isto.
Tocaram umas 5 músicas e saíram com bastantes aplausos para darem a sucessão às Divas da Noite e aqui fica o registo fotográfico.














Lovefoxx a vocalista surgiu com uma farta cabeleira estilo Tina Turner e demasiado vestida para quem conhece os seus espectáculos, gritou, pulou, puxou as calças mostrando uns curtíssimos calções, tirou a cabeleira e deixou há vista as novas madeixas rosa e por fim a camisola apresentando-se ao melhor estilo. Puxou muito pelo público, disse que estiveram em São Paulo em Abril e que o concerto não estava tão cheio como o de ontem, principalmente sendo uma segunda-feira, mas estava e muito.

Elas deram show, ela atirou-se para cima da multidão duas vezes, tem uma energia inesgotável e acima de tudo boa voz. No entanto nota-se que o antigo baixista, compositor e produtor da banda Adriano Cintra faz falta, porque houveram algumas falhas a nível técnico, nada que se notasse muito porque elas sabem como esconder isso e muito bem com o show que dão, mas o verdadeiro teste será o próximo álbum.

No entanto foi um concerto de pular muito e encher as medidas. Quanto ao resto vejam vocês mesmos nos vídeos.